Sustentabilidade: Cidades Inteligentes: Ranking brasileiro

Fonte: Urban System | Data: 10 de august, 2015

Fonte: Urban System

Foi conhecido, no dia 03 de agosto, durante o Connected Smart Cities, em São Paulo, o resultado do estudo inédito, realizado pela Urban Systems, que listou as cidades mais inteligentes do Brasil e elegeu o Rio de Janeiro como referência no Ranking Geral dos municípios com mais de 500 mil habitantes. A segunda colocada foi a cidade de São Paulo, que também liderou no quesito Mobilidade. Além dos prefeitos das cidades premiadas, gestores, representantes do setor público e empresários estiveram presentes ao evento. César Souza Júnior, prefeito de Florianópolis – cidade que ficou em oitavo lugar no Ranking Geral – defendeu a importância das boas práticas sustentáveis nas cidades brasileiras. “O ranking mostra nosso posicionamento frente ao país, mas não menos importante é termos referenciais de boas práticas. Há projetos de outras cidades que vou querer conhecer mais”, disse. Pedro Paulo Carvalho Teixeira, secretário de Coordenação de Governo do Rio de Janeiro, disse estar orgulhoso por representar uma cidade “equilibrada, que fez a sua lição de casa e tem capacidade de investimento da ordem de R$ 38 milhões para aplicar em saúde e infraestrutura”. Ainda de acordo com o secretário, a cidade está sempre procurando conversar com os munícipes e engajá-los. “Nós entendemos que estas medidas vão fazer do Rio uma cidade inteligente, com cariocas inteligentes”. Para o Secretário de Transporte de São Paulo, Jilmar Tatto, quando o assunto é tecnologia, os prefeitos precisam debater sobre as tecnologias proprietárias, que as tornam escravas da TI. De acordo com Tatto, na capital paulista, foram proibidos os protocolos fechados para que possa existir concorrência. “Buscamos democratizar e criar livre concorrência. Em São Paulo, por exemplo, não faltam vias, precisamos é democratizar mais o espaço público, com transporte público de qualidade, ciclovias e mais atenção ao pedestre”, comentou. Thomaz Assumpção, engenheiro e presidente da Urban Systems, acredita que o projeto poderá despertar no poder público e iniciativa privada novas maneiras de perceber as cidades. “É preciso que representantes tenham consciência dos investimentos e aprimoramentos que devem ser realizados nas diversas áreas mapeadas”, disse. Confira a matéria na íntegra em http://goo.gl/Ag3MWh